sábado, 30 de julho de 2011

Anel Prata Caminhos da Vida




Anel Prata Caminhos da Vida


Prata


Tanto a prata quanto o ouro têm sido usados pelo homem desde os tempos pré-históricos. 


Desde então a prata era associada à Lua. Já os alquimistas associavam a este metal a capacidade sonhadora, imaginativa e fantástica própria de escritores ou poetas. 


O termo lunático vem do extremo deste simbolismo, como a pessoa que não consegue estar em contato com a realidade. Dado que a prata só pode vincular-se a um único elemento, os alquimistas atribuíam a ela uma natureza monogâmica.

Do mesmo modo que a luminosidade da lua é o reflexo da luz do sol, o metal prata possui um alto índice de reflexão da luz. Esta propriedade faz com que o metal seja muito utilizado no revestimento de vidro para a fabricação de espelhos.

A prata também possui altos índices de condutividade elétrica e térmica e, em instrumentos musicais, consegue produzir sons muito puros. Este elemento possui também uma natureza sensível e receptiva.


Para os alquimistas, os metais eram considerados organismos vivos e, como tais, experimentavam um processo de amadurecimento natural. porém, em outra escala temporal.


Por este motivo, finas camadas de prata também são usadas na indústria da fotografia e do cinema para registrar imagens. 


Foi essa natureza receptiva da prata que fez com que alguns alquimistas associassem este metal com o elemento água. E, por mais curioso que pareça, a maior parte da prata do mundo inteiro está dissolvida nos oceanos.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Brinco Prata Lápiz-Lazúli "Simplesmente Azul"






Brinco  "Simplesmente Azul" Prata Lápis-Lazúli 




Lápis-Lazúli


Do latim, a palavra significa "pedra azul".


O nome Lápis-Lazúli é de origem árabe.

O Lápis-Lazúli é um poderoso amplificador de pensamentos.


Essa pedra harmoniza os níveis físico, emocional, mental e espiritual.


O Lápis-Lazúli era consagrado à deusa Ísis e os sacerdotes acreditavam que através de um processo de meditação com esta rocha era possível entrar em contato com os deuses.




CRENÇAS E MITOS:

Esta rocha começou a ser utilizada como gema desde o período de 7000 a.C. na Índia.


Devido à sua cor era uma rocha muito apreciada pelos egípcios.

Para eles o Lápis-Lazúli simbolizava a água como elemento primordial da criação e era colocado juntamente com as múmias para substituir o coração e fazer a regeneração no outro mundo.


É preciso lembrar que os egípcios davam grande valor à vida no Além e acreditavam que precisariam do seu corpo para viverem neste mundo, razão pela qual os corpos eram mumificados e sepultados com todo o tipo de artefatos que pudessem vir a ser necessários na sua vida depois da morte.


Para além disso era considerado um poderoso amuleto e o seu pó utilizado como cosmético pelas mulheres como sombra para os olhos.


O Lápis-Lazúli não era considerado importante apenas no Egito, também na China era considerado como uma das Sete Coisas Preciosas.


Na Suméria é possível encontrar importantes vestígios da utilização desta rocha onde foram encontradas mais de 6000 estatuetas de vários animais.


Mais tarde os romanos acreditavam que o Lápis-Lazúli era um afrodisíaco, ao passo que na Idade Média era utilizado por se acreditar nas suas qualidades curativas em relação a doenças de pele.


Durante muito tempo este azul era admirado e utilizado pelos artistas.


O pó triturado desta rocha era utilizado como pigmento e era conhecido não só pela sua beleza como pelo seu preço extremamente elevado.


Este silicato além de ser muito apreciado pelos egípcios, também foi, largamente aproveitado pelos babilônicos, hindus e budistas.


Essa pedra libera rapidamente o estresse, trazendo uma paz profunda.


O Lápis-Lazúli abre o "terceiro olho". Ela estimula a iluminação e intensifica o trabalho com sonhos e as capacidades psíquicas, facilitando a viagem astral e aumentando o poder espiritual e pessoal.


O Lápis-Lazúli é uma pedra protetora que facilita o contato com os guardiões espirituais.


A essa pedra nos traz a imensa capacidade de harmonização dos níveis físico, emocional, mental e espiritual.

FONTE:

"Bíblia dos Cristais" Judy Hall






*Lápis-Lazúli consagrado a Deusa Ísis


Ísis, ou Aset, da mitologia egípcia foi a mulher de Osíris, filha do deus da terra, Geb ou Gueb, e da deusa do céu/firmamento, Nut. Era ainda mãe de Hórus e cunhada de Set ou Seth. Segundo a lenda, Ísis ajudou a procurar o corpo de Osíris, que tinha sido despedaçado por seu irmão, Seth. Ísis, a deusa do amor e da mágica, tornou-se a deusa-mãe do Egito.


Fonte: http://www.ocultura.org.br/index.php/%C3%8Dsis

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Brinco Prata S.D




Brinco Prata Onda


Prata


Tanto a prata quanto o ouro têm sido usados pelo homem desde os tempos pré-históricos. Desde então a prata era associada à Lua. Já os alquimistas associavam a este metal a capacidade sonhadora, imaginativa e fantástica própria de escritores ou poetas.


A prata é conhecida pelo homem desde a Pré-História, estimando-se que a sua descoberta se fez pouco depois da do ouro e do cobre. A referência mais antiga que se conhece ao elemento é o livro do Genesis.


O termo lunático vem do extremo deste simbolismo, como a pessoa que não consegue estar em contato com a realidade. Dado que a prata só pode vincular-se a um único elemento, os alquimistas atribuíam a ela uma natureza monogâmica.

Do mesmo modo que a luminosidade da lua é o reflexo da luz do sol, o metal prata possui um alto índice de reflexão da luz. Esta propriedade faz com que o metal seja muito utilizado no revestimento de vidro para a fabricação de espelhos.

A prata também possui altos índices de condutividade elétrica e térmica e, em instrumentos musicais, consegue produzir sons muito puros. Este elemento possui também uma natureza sensível e receptiva.


Para os alquimistas, os metais eram considerados organismos vivos e, como tais, experimentavam um processo de amadurecimento natural. porém, em outra escala temporal
Por este motivo, finas camadas de prata também são usadas na indústria da fotografia e do cinema para registrar imagens. Foi essa natureza receptiva da prata que fez com que alguns alquimistas associassem este metal com o elemento água. E, por mais curioso que pareça, a maior parte da prata do mundo inteiro está dissolvida nos oceanos.



Os Egípcios consideravam o ouro como o metal perfeito, atribuindo-lhe o símbolo de um círculo, enquanto a prata era tida como a mais próxima do ouro em perfeição, pelo que lhe foi atribuído o símbolo de um semi-círculo. Este semi-círculo terá dado origem, mais tarde, a uma lua crescente, provavelmente devido à semelhança entre o brilho do metal e o da lua. Os Romanos chamavam a prata de argentum, mantendo-se este como nome internacional do elemento, de onde deriva o seu símbolo químico

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Anel Prata Ametista retangular facetada




Anel Prata Ametista retangular facetada.


Ametista- é uma das pedras mais espirituais que se conhece atribui-se a ela o poder de promover o amor divino.



Ametista

CRENÇAS E MITOS:
O seu nome vem do grego "Amethystos", que significa não bêbado. Os gregos acreditavam que essa pedra os protegia de feitiçaria, nostalgia, maus pensamentos, embriaguez, e da penetração dessas forças sobre o espírito. Acreditavam também que essa pedra podia transformar maus pensamentos em otimismo, libertando-nos de falsos amigos.
A Ametista faz com que o seu portador possa fazer juízos corretos, favorece e fortalece verdadeiras amizades, ao mesmo tempo que afasta falsos amigos.
A Ametista equilibra os nossos altos e baixos, promovendo o centramento emocional. Ela dissipa a raiva o ódio, o medo e a ansiedade, e ajuda a suporta
r a perda, aliviando a tristeza e a dor.
Fonte:"A Bíblia dos Cristais" Judy Hall

quinta-feira, 21 de julho de 2011

The Smurfs Movie Trailer 2 Official (HD)

Brinco Prata Pão de Açúcar- Coleção "Amo o Rio" - Linha ST






Brinco Prata Pão de Açúcar- Linha de jóias ST




Prata


Tanto a prata quanto o ouro têm sido usados pelo homem desde os tempos pré-históricos. Desde então a prata era associada à Lua. Já os alquimistas associavam a este metal a capacidade sonhadora, imaginativa e fantástica própria de escritores ou poetas.


A prata é conhecida pelo homem desde a Pré-História, estimando-se que a sua descoberta se fez pouco depois da do ouro e do cobre. A referência mais antiga que se conhece ao elemento é o livro do Genesis.


O termo lunático vem do extremo deste simbolismo, como a pessoa que não consegue estar em contato com a realidade. Dado que a prata só pode vincular-se a um único elemento, os alquimistas atribuíam a ela uma natureza monogâmica.

Do mesmo modo que a luminosidade da lua é o reflexo da luz do sol, o metal prata possui um alto índice de reflexão da luz. Esta propriedade faz com que o metal seja muito utilizado no revestimento de vidro para a fabricação de espelhos.

A prata também possui altos índices de condutividade elétrica e térmica e, em instrumentos musicais, consegue produzir sons muito puros. Este elemento possui também uma natureza sensível e receptiva.


Para os alquimistas, os metais eram considerados organismos vivos e, como tais, experimentavam um processo de amadurecimento natural. porém, em outra escala temporal
Por este motivo, finas camadas de prata também são usadas na indústria da fotografia e do cinema para registrar imagens. Foi essa natureza receptiva da prata que fez com que alguns alquimistas associassem este metal com o elemento água. E, por mais curioso que pareça, a maior parte da prata do mundo inteiro está dissolvida nos oceanos.



Os Egípcios consideravam o ouro como o metal perfeito, atribuindo-lhe o símbolo de um círculo, enquanto a prata era tida como a mais próxima do ouro em perfeição, pelo que lhe foi atribuído o símbolo de um semi-círculo. Este semi-círculo terá dado origem, mais tarde, a uma lua crescente, provavelmente devido à semelhança entre o brilho do metal e o da lua. Os Romanos chamavam a prata de argentum, mantendo-se este como nome internacional do elemento, de onde deriva o seu símbolo químico



Oba Rio - BRazilian Lounge - DJ MAM & Rodrigo Sha

terça-feira, 19 de julho de 2011

Lenine - Paciência Acústico

Anel Elita Prata e Rubi Bruto- A mais nova paixão da CaroLINDA 3anos e 8 meses




Anel Elita Prata e Rubi Bruto




Histórias, crenças e lendas sobre o RUBI



Na Índia o rubi é chamado ratnaraj, que significa “senhor das pedras preciosas”.

A Índia foi o país de origem clássica do Rubi e há milhares de anos o conhecimento sobre a lapidação e seus mitos era passado de uma geração para outra, em sigilo de família, e a adoração por essa pedra chegou ao mundo através das obras da literatura indiana.

Hoje temos jazidas importantes de Rubi no Sri Lanka, Índia, Birmânia, Camboja, Quênia, Tanzânia e México, encontrando-se as mais importantes ao norte da Birmânia, perto de Mogok, onde encontram-se frequentemente rubis “sangue de pombo”, considerados como os mais valiosos.
Pedras grandes, por outro lado, são muito raras.
Os rubis são encontrados junto de berilos, crisoberilos, granadas, pedras-da-lua, safiras, espinélios, topázios, turmalinas e zircões.
O Rubi acha-se entre as gemas mais caras do mundo.
Os Rubis grandes são mais raros que diamantes de tamanho similar.
O maior Rubi digno de ser lapidado pesou 400 ct; foi encontrado na Birmânia e foi dividido em três partes.
Pedras famosas, de beleza excepcional, são:
O Rubi Edward (167 ct), no British Museum of Natural History-Londres.
O Rubi Estrala de Reeves (138,7 ct), no Smithsonian Institution-Whashington.
O Rubi Long Star (100 ct) no American Museum of Natural History-Nova York.
O Rubi da Paz (43 ct), assim chamado porque foi encontrado em 1919, isto é, logo após o término da Primeira Guerra Mundial.
Numerosos Rubis são peças que dão esplendor e glamour as jóias de diversas dinastias.
Descobriu-se que algumas gemas que haviam sido consideradas como rubis, era espinélios, como o Black Prince`s Ruby da coroa inglesa, ou o Timur Ruby num colar das jóias da coroa inglesa. Os espinélios em forma de gota da coroa de Wittelsbach de 1830 eram considerados rubis.
Atualmente, a maioria dos rubis já é lapidada nos próprios países produtores. Como se procura manter um peso o mais elevado possível, as proporções não são sempre satisfatórias, e muitas pedras têm de ser relapidadas. Os de qualidade transparente se lapidam em talhe esmeralda ou em brilhante, os menos transparentes em cabochão.

O Rubi é considerado como uma das doze pedras preciosas que foram criados quando Deus foi criar a humanidade.

Crenças e Mitos:

Acredita-se que o Rubi traz saúde, riqueza e sucesso ao seu portador.

Na Índia sempre que um Rubi for encontrado, há uma regra pra receber a pedra, essa regra passa de geração a geração em segredo de família.

Rubis na Índia foram classificadas como de classe alta, classe média e classe baixa como por sua infalibilidade e perfeição.

Rubis, que fossem considerados inferiores em qualidade seria mantido longe dos mais finos, pois, acreditavam que eles iriam contaminar os rubis mais finos.

Os Hindus valorizavam os Rubis por este possuir a cor da flor de Lótus.

Durante a Idade Média surgiu a crença de que os Rubis possuíam um fogo interno que não podia ser escondido ou apagado.

Acreditavam que se fossem envolvidos em um pano esse, eventualmente se queimaria, ou que se a pedra fosse colocada na água, o líquido esquentaria até ferver.

Acreditava-se que o Rubi era a mais valiosa das doze pedras criadas por Deus e que Ele ordenou que este fosse colocado no pescoço de Abraão.

A Bíblia diz que "a sabedoria é mais valiosa que o preço dos rubis".

O Rubi estava associado ao calor e à paixão e eram considerados valiosos por manterem a saúde do corpo e da alma.

Era também utilizado para evitar perdas de sangue e doenças do sangue.

Os rubis sempre foram considerados as mais sagradas de todas as pedras preciosas.

Durante muitos milênios, as pedras preciosas da antigüidade têm sido usadas como amuletos.

Tais amuletos eram reverenciados, usados, preservados, protegidos e passavam de pais para filhos, durante incontáveis gerações.

Os antigos birmaneses acreditavam que o Rubi tinha o poder de tornar seus guerreiros invulneráveis durante as batalhas. Para isso era necessário que a pedra ficasse em contato com a carne, portanto eles o inseriam sob a pele. Um dos primeiros exemplos de piercing conhecidos

Os hindus também como os birmaneses por vezes incrustavam rubis na pele pois acreditavam que isto os iria proteger contra as feridas provocadas por setas.

Ainda hoje se acredita que o rubi favorece a circulação sanguínea e o coração.

Também se crê que no amor faz com que este sentimento se torne sublime e grandioso, alcançando todo o universo.

LENDA:

De acordo com a lenda hindu, o rubi vermelho surgiu a partir de um diamante quando uma rainha foi assassinada e o seu sangue cobriu o diamante e todas as pedras iguais a esta.

domingo, 17 de julho de 2011

Chet Baker - Estate

Anel Prata Turquesa redonda - Rosane Serro




Anel Prata Turquesa redonda R. Serro


Turquesa significa “pedra turca”, pois era levada pelos turcos para a Europa.


Os turcos a chamavam de “Fayruz”, a pedra da sorte. 


A Turquesa proporciona sucesso comercial ao seu usuário.

Proteção contra maus espíritos, sucesso comercial, proporciona beleza e força.


É originária da Turquia, Pérsia, Egito, EUA.

CRENÇAS E MITOS:

A Turquesa é conhecida desde a antiguidade é utilizada como amuleto e pedra de ornamento.

A palavra TURQUESA significa “pedra turca” e era considerada a “pedra da sorte” por eles.

Esta pedra era muito valorizada pelos povos orientais e asteca, mas só mais tarde é que começou a ser considerada como amuleto na Europa.

É possível que isto tenha ocorrido devido à influência da Igreja Católica.

A Turquesa já era comercializada há vários séculos e comprada na Europa, mas só no século XIV quando a influência da Igreja Católica começou a diminuir é que esta pedra começou a ser utilizada em joalharia.

Nos países orientais acreditava-se que a turquesa protegia o seu possuidor de influências negativas e pensava-se que mudava de cor de acordo com a saúde dele.

Uma outra crença semelhante é que a pedra avisava da aproximação de perigo. Esta crença poder estar ligada ao fato de que a tonalidade de alguns tipos de turquesa mudam mediante diversos fatores, como o calor, luz e transpiração. Por exemplo uma pessoa que possua uma pedra de uma destas variedades, ao ficar com febre ou ao transpirar, como resultado disso, faz com que a pedra mude de tonalidade.

Os Astecas, assim como povos nativos da América do Norte, utilizavam a turquesa como amuleto protetor.

Os Astecas não limitavam o uso da Turquesa a amuletos e utilizavam-na para armas, escudos e provavelmente objetos cerimoniais.

Os índios americanos a chamam de "Sky Stone", e, é extraída desde 300 D.C.

O Povo Navajo, Apache e Zuni têm verdadeiros tesouros de Turquesa. 

A Nação Navajo é a maior nação indígena com reserva própria nos Estados Unidos. 

O Arizona é conhecido como a terra da Turquesa.

Na Pérsia a Turquesa era amplamente utilizada para objetos decorativos que incluía a decoração de edifícios.

Por outro lado os egípcios também utilizavam bastante a turquesa. 

Para além de todos os usos ornamentais, também era considerada um amuleto por estar associada à deusa Ísis.

*Isis - A Deusa do Trono egípcio.

(A palavra egípcia Ast or Aset, significa "Trono ou Cadeira". 

Isis é uma palavra onomatopeica de origem asiática, Ish-ish, que significa "aquela que chora"). Isis foi por mais de 3.500 anos a deidade principal do Egito. Ela era a esposa e irmã de Osiris e mãe de Hórus e a personificação da esposa fervorosa e mãe dedicada. Isis é a "Dona das palavras de poder" e a "Deusa da Natureza". Ela é a personificação da magia e da natureza. O colo da Deusa Isis é considerado como o trono real enquanto que seu peito derramando o néctar divino, confere o direito de reinar. Isis é frequentemente representada com uma coroa e um trono e mais tarde com um disco solar e 2 chifres. A árvore sicomoro é sagrada a Isis e ela está associada ao planeta Vênus, cobre e as cores esmeralda e turquesa.



FONTE:
"A Bíblia dos Cristais" Judy Hall
"Prevenções e cura com pedras" Karl Stark e Werner Meier

sábado, 16 de julho de 2011

Brinco prata Rococó com bola de esmaltação marroquina com Granada de 3mm nas extremidades.



Granada de 3mm nas extremidades.


Granada- Guardiã das amizades verdadeiras.



Curiosidades sobre a técnica de esmaltação.

"Os materiais usados na joalheria Art Nouveau foram os mais variados: osso de animais, cobre, casco de tartaruga, marfim, vidro, madrepérola, prata e ouro. E a gemas preferidas eram a pérola, a ametista, a pedra da lua, a opala, a água-marinha, o peridoto, o jade e o crisoberilo.


E antigas técnicas de esmaltação foram bastante utilizadas por designers e ourives para decorar jóias em estilo Art Nouveau. O escopo e a variedade das técnicas produziram múltiplos e maravilhosos efeitos na decoração das jóias produzidas pelos seguidores deste estilo artístico, que buscavam inspiração em plantas e flores exóticas, em répteis e insetos e em figuras femininas. Todas as forças da natureza podiam ser capturadas em linhas sinuosas e assimétricas.

O esmalte é uma mistura vítrea de sílica, quartzo, bórax, feldspato e chumbo com óxidos metálicos que são adicionados à mistura para produzir a cor desejada. A mistura é reduzida a um pó fino e faz-se necessária uma temperatura em torno de 927 º C para o pó passar para o estado líquido.

As técnicas de esmaltação mais utilizadas na joalheria Art Nouveau foram:

Cloisonné: Um desenho é feito na peça e o seu traço recoberto com um fino fio de ouro. Em cada célula (cloison) formada pelo traçado do desenho é adicionada a mistura em pó e então aquecida até o ponto de fusão. O polimento é a etapa final da esmaltação;

Champlevé: Técnica de esmaltação na qual os desenhos são recortados do metal. As áreas (células) ocas são preenchidas com os esmaltes (em estado líquido) com cada cor sendo adicionada por sua vez. É necessário o polimento para que as áreas fiquem todas no mesmo nível;

Basse-taille: Nesta técnica, os desenhos são recortados ou gravados no metal. Porém, em vez de se preencher somente as depressões formadas, aplica-se esmalte líquido de tessitura transparente em toda a superfície. As cores variam de acordo com a profundidade do desenho recortado ou gravado;

Plic-a-jour: Foi a técnica de esmaltação mais utilizada pelos designers durante o Art Nouveau.


Para esta técnica, o aquecimento da mistura dá-se somente até um grau pastoso, já que será adicionada a células ocas (sem fundo de metal), recortadas do metal. O esmalte é suportado por uma rede de finos fios de metal. Delicada, esta técnica proporciona um efeito vitrificado e translúcido, já que a luz passa através do esmalte; e Taille d’epergne: Depois de um desenho ser recortado ou gravado no metal, os sulcos ou recortes são preenchidos com a mistura em pó. A peça é então aquecida para o esmalte preencher as depressões e depois polida "

Fonte: Portal Jóia br
Julieta Pedros

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Rococó prata Esmaltação marroquina Flor








Pedra Cornalina de 1mm nas extremidades. 


Crenças e mitos sobre a Cornalina. 


Cornalina acalma a raiva, p o ciúme, a inveja, o ódio e a depressão. 


Promove paz e harmonia. Boa para ser usada por pessoas que são envergonhadas e tímidas. 

Curiosidades sobre a técnica de esmaltação. 


"Os materiais usados na joalheria Art Nouveau foram os mais variados: osso de animais, cobre, casco de tartaruga, marfim, vidro, madrepérola, prata e ouro. E a gemas preferidas eram a pérola, a ametista, a pedra da lua, a opala, a água-marinha, o peridoto, o jade e o crisoberilo.



E antigas técnicas de esmaltação foram bastante utilizadas por designers e ourives para decorar jóias em estilo Art Nouveau. O escopo e a variedade das técnicas produziram múltiplos e maravilhosos efeitos na decoração das jóias produzidas pelos seguidores deste estilo artístico, que buscavam inspiração em plantas e flores exóticas, em répteis e insetos e em figuras femininas. Todas as forças da natureza podiam ser capturadas em linhas sinuosas e assimétricas.

O esmalte é uma mistura vítrea de sílica, quartzo, bórax, feldspato e chumbo com óxidos metálicos que são adicionados à mistura para produzir a cor desejada. A mistura é reduzida a um pó fino e faz-se necessária uma temperatura em torno de 927 º C para o pó passar para o estado líquido.

As técnicas de esmaltação mais utilizadas na joalheria Art Nouveau foram:

Cloisonné: Um desenho é feito na peça e o seu traço recoberto com um fino fio de ouro. Em cada célula (cloison) formada pelo traçado do desenho é adicionada a mistura em pó e então aquecida até o ponto de fusão. O polimento é a etapa final da esmaltação;


Champlevé: Técnica de esmaltação na qual os desenhos são recortados do metal. As áreas (células) ocas são preenchidas com os esmaltes (em estado líquido) com cada cor sendo adicionada por sua vez. É necessário o polimento para que as áreas fiquem todas no mesmo nível;


Basse-taille: Nesta técnica, os desenhos são recortados ou gravados no metal. Porém, em vez de se preencher somente as depressões formadas, aplica-se esmalte líquido de tessitura transparente em toda a superfície. As cores variam de acordo com a profundidade do desenho recortado ou gravado;


Plic-a-jour: Foi a técnica de esmaltação mais utilizada pelos designers durante o Art Nouveau. 


Para esta técnica, o aquecimento da mistura dá-se somente até um grau pastoso, já que será adicionada a células ocas (sem fundo de metal), recortadas do metal. O esmalte é suportado por uma rede de finos fios de metal. Delicada, esta técnica proporciona um efeito vitrificado e translúcido, já que a luz passa através do esmalte; e Taille d’epergne: Depois de um desenho ser recortado ou gravado no metal, os sulcos ou recortes são preenchidos com a mistura em pó. A peça é então aquecida para o esmalte preencher as depressões e depois polida "


Fonte: Portal Jóia br
Julieta Pedros

Brinco prata Rococó "Maria Bolota" Ágata- Azul

Brinco prata Rococó Ágata-Azul bola


*esse brinco é da coleção " Brincando com as pedras", com a mesma base vc faz inúmeros brincos basta trocar a pedra.


Ágatas

As Ágatas estão entre as mais antigas pedras preciosas e curativas e devem a sua atratividade à grande variedade  de colorações e aos seus múltiplos desenhos.

Na Antiguidade, as Ágatas eram trabalhadas em forma de pingentes e usadas como amuletos. 

Nos museus de Atenas e Paris, encontram-se até hoje jóias e objetos de adorno da antiga Grécia, que são muito admirados. Os antigos romanos acreditavam que as Ágatas em formas de anéis poderiam oferecer-lhes poder e riqueza.

As Ágatas-Azuis e Verdes, protegem o seu portador de tudo que é mau. Todas as Ágatas são poderosas pedras protetoras e pedras de sorte! 

A Ágata estabiliza a aura, eliminando e transformando energias negativas. O efeito purificador é poderoso tanto no nível físico qt no emocional.

O amor da Ágata pela honestidade nos estimula a expressar a nossa própria verdade.

Fonte:


"A BÍBLIA DOS CRISTAIS" 
JUDY HALL


"PREVENÇÕES E CURA COM PEDRAS" 
KARL STARK 
WERNER MEYER

Narciso Yepes - Concierto de Aranjuez (2)

terça-feira, 12 de julho de 2011

AMETISTA

Ametista




O nome, ametista, vem do grego amethystós e significa "não ébrio". 


Na Grécia usava-se nas festas dedicadas a Dionísio ou Baco para manter-se sóbrio.

Conhecida desde a antiguidade, é uma variedade de quartzo. Na verdade a conhecida ametista é o quartzo-violeta.

As pedras descobertas em períodos antigos costumam estar associadas a lendas... 


Uma das mais belas, talvez, seja a da Ametista...

Na mitologia grega, Dionísio, o deus do vinho, desprezado pelos mortais, jurou jogar tigres contra a primeira pessoa que encontrasse... A bela Ametista, a caminho do templo da deusa Diana, foi a primeira a passar e acabou sendo atacada pelas feras. Vendo seu desespero, Diana decidiu transformá-la em um cristal para aliviar sua dor. Arrependido, Dionísio despejou vinho sobre a pedra, que adquiriu então a cor púrpura...

Utilizada desde tempos imemoriais por reis e bispos, a Ametista transmite a quem a traz consigo poderes psíquicos e contemplativos. 


O alto clero hebreu usava ametistas em seus paramentos e, mais recentemente, podem-se ver essas preciosas pedras púrpuras entre as jóias da coroa da Inglaterra e na Fleur de Lys da realeza da França e eram as favoritas de Catarina a Grande. 


Na Idade Média chegou a custar mais caro que o diamante.

Leonardo Da Vinci escreveu que a ametista podia dissipar pensamentos maus e acelerar a inteligência.

Acreditava-se que a ametista encorajasse o celibato e simbolizava devoção, era muito importante na igreja católica na Idade Média. 


Era, em particular, considerada pedra de bispo, até hoje levam no dedo um anel de ametista, como símbolo de sua espiritualidade.

No Tibet, a ametista é consagrada a Buda e seus rosários são freqüentemente feitos desta pedra.

Tem brilho vítreo, transparente e translúcido. Cor violeta. As substâncias corantes são o ferro, o manganês e o titânio.

É a gema representativa mais importante do grupo do quartzo. 


É o símbolo do terceiro olho, que tudo vê, também símbolo da modéstia.

Sua cor violeta transforma energia negativa em positiva, desenvolve a espiritualidade e intuição, é uma das favoritas para a meditação.

Brinco prata Gota Berilo- 'Celita'






Brinco Prata gota de Berilo facetado 'Celita'


Berilo


É a pedra dos novos começos.


Ela inspira compaixão, perdão, generosidade e confiança.


Crenças, mitos e curiosidades.


Assim como a Esmeralda e Água-Marinha, o Berilo é do mesmo grupo ou família, é uma gema que pode ter várias cores, como o transparente, amarelo, verde e rosa.

Os Judeus a consideravam  o Berilo-Branco como pedra mágica que deveria firmar a crença em Deus.


Os Gregos  consideravam que ela melhorava a visão e denominavam-na "Beryllos", que significa "óculos".



Os Romanos a lapidavam para servir de óculos, para observar as lutas dos gladiadores. Consta que Nero, o imperador, tinha tais óculos com lentes de Berilo.

Uma pedra suave que penetra fundo na alma e fortalece a aura e o poder de nossas irradiações, charme, atração sexual e sensação de alegria.

Na meditação ela realça as oscilações dos impulsos eróticos. 


Fonte:


"A BÍBLIA DOS CRISTAIS" 
JUDY HALL


"PREVENÇÕES E CURA COM PEDRAS" 
KARL STARK 
WERNER MEYER